sábado, 23 de abril de 2016

BATALHA ESPIRITUAL EM TRÊS NÍVEIS.


1 – Batalha espiritual em três níveis.


Vivemos num conflito espiritual sem tréguas. Satanás não tira férias, nem folga, nem finais de semana. Ele sempre está planejando contra nós, mesmo quando sofremos alguma perda. Ele não respeita o nosso luto ou sofrimento, É neste estágio de maior vulnerabilidade emocional e psicológica, que ele desfere seus golpes malignos. Satanás não conhece o que é uma luta limpa. Ele é mau, perverso e destruidor. Precisamos, portanto, conhecer os seus desígnios para que ele não leve vantagem sobre nós (2Corintios 2:10-11).

Em se tratando de guerra espiritual, muito se tem falado a respeito, mas ultimamente um conceito que tem sido acatado por vários segmentos do cristianismo é o defendido por estudiosos conceituados como Peter Wagner: o conceito de que a guerra espiritual acontece em três níveis:
  • Nível 1: Batalha a nível de solo (pessoa a pessoa – Mateus 10:1 – Atos 8:7)
  •  Nível 2: Batalha a nível de instituição (organização/organização – Atos 16:16-24 – Atos 19:32)
  • Nível 3: Batalha a nível estratégico (tomada de cidades: Efésios 6:12 – Apocalipse 12:7).

2- Os dois reinos

Quando o homem pecou no Jardim do Éden e entregou o direito legal dado por Deus sobre a terra, a satanás, ele passou uma procuração em branco para que o adversário se tornasse posseiro, através do engano, daquilo que pertence a Deus e foi entregue nas mãos do homem. O pecado dá direito legal a este posseiro, satanás e seus demônios.
Mt 11.12 - “desde os dias de João Batista até agora o reino dos céus é tomado por esforço, e os que se esforçam se apoderam dele.”

I Co 15.24 - “Então virá o fim, quando tiver entregado o reino a Deus, ao Pai, e quando houver destruído todo o domínio, e toda autoridade e todo o poder.”

Mt 12.28 - “Se, porém, eu expulso os demônios pelo Espírito de Deus, certamente é chegado o reino de Deus sobre vós.”
O reino de Deus só é implantado quando o reino do inferno é subjugado.


3 – A missão de resgate do ser humano

Gn 3.15 - “Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar”.

I Jo 3.8 - “ ... para isto se manifestou o Filho de Deus, para destruir as obras do diabo.”

Lc 19.10 - “Porque o Filho do Homem veio buscar e salvar o perdido.”
A salvação do homem, ou o resgate do homem à sua condição inicial, passa obrigatoriamente pela destruição das obras do diabo.

Sem libertação não há salvação, todo homem para ser salvo tem que ser liberto por Jesus das garras do diabo.

A Luta é espiritual

Ef 6.12 - “Pois não temos que lutar contra a carne e o sangue, e, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os poderes deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais da maldade nas regiões celestes.”

Lc 4.18 - “O Espírito do Senhor está sobre mim, pelo que me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos e restauração da vista ao cegos, para pôr em liberdade os oprimidos.”

Cl 1.13-14 - “Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu Amor, no qual temos a redenção, a remissão dos pecados.”

Mt 16.18b - “...as portas do inferno não prevalecerão contra a igreja.”

Lc 14.31-32 - “Ou qual é o rei que, indo para combater outro rei, não se assenta primeiro para calcular se com dez mil homens poderá enfrentar o que vem contra ele com vinte mil? Caso contrário, estando o outro ainda longe, envia-lhe uma embaixada, pedindo condições de paz.”


4 – A nossa batalha é nas regiões celestes

Paulo define que é nas regiões celeste que se desenvolve esta guerra.
Vejamos:

O lugar onde Deus está:
Ef 1.3 - “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo.”

O lugar onde Jesus, depois de ressuscitado está:
Ef 1.20 - “o qual exerceu ele em Cristo, ressuscitando-o dentre os mortos e fazendo-o sentar à sua direita nos lugares celestes.”

O lugar daqueles que aceitaram a Jesus como salvador, é o lugar da igreja:
Ef 2.4-6 - “Mas Deus sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, e, estando mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo, - pela graça sois salvos, e, juntamente, com ele, nos ressuscitou e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus.”

O lugar dos principados e potestades do império das trevas:
Ef 6.12 - “Pois não temos que lutar contra a carne e o sangue, e, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os poderes deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais da maldade nas regiões celestes.”

Ef 6.18 - “com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica por todos os santos.”

Só há uma maneira para entrarmos nas regiões celestes para guerrearmos: é a oração. A oração é o combustível que move os anjos do Senhor. A oração move o braço de Deus em favor das pessoas pelas quais estamos intercedendo para serem salvas.


Exemplos bíblicos de guerra espiritual:

  • Daniel – Dn 10.1-3, 13
  • Jesus – Lc 4.1-2
  • Paulo – At 16.16-18 e 19.1-20
Os grandes avivamentos só acontecem como resultado das orações do povo de Deus.


5 – As nossas armas de guerra

a – Arma de defesa – O sangue de Jesus – Hb 9.18-22; Ex 12.23; I Jo 1.7

b – Arma de ataque – O nome de Jesus – Mc 16.17-18; Lc 10.19; Jo 14.14

c – Arma de apoio – Os anjos de Deus – Sl 34.7; Sl 91.11; Hb 1.13-14

d – Arma estratégica – Unção com óleo – Is 10.27; Mc 6.13; Tg 1.14

e – Armadura de Deus – Ef 6.13-17

 Vamos falar um pouco sobre a armadura de Deus, amados a armadura de Deus está ligada a um revestimento de Seu caráter de uma postura transformada por Ele, não confunda vestir a armadura de Deus com apenas uma oração profética, e necessária entender que não adianta orar e dizer que está vestindo a armadura de Deus se não viver uma vida que condiz com a palavra.
  •  Capacete da salvação – Para proteger a mente, onde está o livre arbítrio.   
  •  Couraça da justiça – feita com o sangue de Jesus, que nos justifica e protege as nossas emoções, não temos justiça própria, nossa justiça vem do Senhor.
  • Calçado com a preparação do Evangelho da Paz – tua presença tem que trazer paz em ambientes hostis - Is 52.7
  •   Escudo da Fé – em uma guerra a momentos difíceis, mas você tem que se recusar em aceitar a proposta do diabo, a dúvida. Sl 5.12; 7.10; 18.2; 18.30; 28.7; 84.11; 89.18; 91.4; 115.9
  •   Espada do Espírito – não adianta ter fé se você não conhece a palavra pois a fé vem em conhecer a palavra. Lc 4.1-13; Hb 4.12; Ap 1.16; Ap 19.15
  •   O cinto da verdade – sua vida tem que estar alinhada com a palavra do Senhor não pode viver uma mentira - Pv 6.16-19; Cl 3.9; Jo 8.44; Ef 4.25; Jo 8.44
Agora você está preparado para entrar em guerra que já tem um vencedor determinado: Jesus Cristo e você; e um perdedor definido: satanás e todo o seu inferno, mas entenda você está em guerra e teu adversário sabe como te destruir ele vai tentar a qualquer custo, fazer com que você abaixe a guarda de um espaço para ele atacar. Efésios 4:27 e não deis lugar (espaço) ao Diabo.

É aí que começa toda a guerra, com o propósito de Satanás de ser igual a Deus e, por isso, opõe se a tudo o que Deus faz ou o que se chama pelo Seu nome ( Mt 13: 24-30; Lc 22:3).


A Terra novo local de guerra.


Mapeamento Espiritual


Mapeamento Espiritual consiste em estudar a história do lugar onde deseja-se evangelizar e “discernir” a entidade espiritual que atua nesta determinada região.

Seria o estudo da história da região e das características econômicas, políticas, sociais e morais que lhe são próprias. Em seguida, faz-se uma identificação espiritual com o demônio que poderia lhe atribuir estas características.

1- Amarrar o Valente. (Marcos 3:27) - Ninguém pode roubar os bens do valente, entrando-lhe em sua casa, se primeiro não maniatar o valente; e então roubará a sua casa.

2- Fazer declaração do poderio de Jesus aos poderes do mundo invisível. Declarar a sabedoria de Deus ao diabo e aos principados que estejam na vizinhança.

3- Profetizar que o deus deste século não irá cegar as mentes das pessoas.

4- Adoração, louvor, leitura da bíblia e brados de guerra devem sair noite após noite e coisas começarão a acontecer: Demônios serão expulsos, enfermos curados, e milhares de pessoas convertidas. Devemos revezar a direção de orações poderosas para exaltar ao Senhor e liberar a Sua bênção sobre os povos não alcançados no mundo.

5- Deixar de lutar contra nos mesmo, (reino dividido não subsiste, Lc 9:50, Lc 11:18) com discussão tolas enquanto milhares de almas são ceifadas todos os dias, por não ter Jesus.

6- Para fazer as coisas certas, nós precisamos do espírito de sabedoria e revelação e busca a união do corpo.

Mas entendemos pela palavra que, desde a queda do homem, o nosso Deus planejou o seu resgate:

Aquele que não se prepara é como o rei descrito por Jesus em Lucas

Precisamos conhecer os lugares desta batalha, e onde nos encontramos:

Ef 3.10 - “para que, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus se torne conhecida, agora, dos principados e potestades nos lugares celestiais.”

Chave principal: “Fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder. ” Ef. 6.10



GUERRA ESPIRITUAL A NÍVEL SOLO

Este é o ministério de expulsão de demônios e após levar as pessoas a um entendido na palavra de como permanecer liberta. (Oséias 4:6) - O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento; ...... (Oséias 4:14) - ....................; pois o povo que não tem entendimento será transtornado.

Observamos que duas coisas dificultam a libertação do homem quando ele não conhece a palavra isto traz destruição sobre sua vida, e quando ele conhece e não entende por falta de intimidade com o Espirito Santo.

(Mateus 10:1,17; Atos 8:7). O Novo Testamento nos apresenta vários casos de batalha espiritual em nível solo. Este nível é muito comum no Novo Testamento. É também a forma mais comum praticada pelos crentes, hoje em dia. Todos os “Ministérios de Libertação” ao redor do mundo estão envolvidos na Guerra Espiritual a Nível Solo. Muitos livros que estão à venda em livrarias evangélicas e que tratam da guerra espiritual envolvem basicamente a expulsão de demônios e libertação pessoal de pessoas, bem como curas físicas e emocionais e o evangelismo de maneira geral.



GUERRA ESPIRITUAL A NÍVEL DE OCULTISMO

Neste nível vamos lutar contra poderes demoníacos que são liberados através de feiticeiros, canalizadores da nova era, bruxos, feiticeiros, praticantes de forças ocultas, sacerdotes satanistas, adivinhos, etc. Podemos perceber que este nível de confronto espiritual é bem diferente do simples demonismo que enfrentamos no dia a dia, onde demônios atacam pessoas com alcoolismo, dores de cabeça e outros tipos de opressões. Um exemplo deste nível de Guerra Espiritual vamos encontrar em Atos 16:16-24. Neste nível de guerra espiritual vamos encontrar servos de Satanás tentando influenciar pessoas que exercem influência, tais como governantes, políticos, empresários, etc.
Vamos ver alguns dados que nos mostram como se tem dado este nível de guerra em nossos dias:
  • Temos notícias de que o número de bruxos registrados na Alemanha é maior do que o número de clérigos.
  • Um missionário evangélico na França anunciou que entre os franceses, há um maior número de enfermos que consultam os médicos feiticeiros do que os médicos profissionais.
  • Possivelmente, o movimento religioso de mais rápido crescimento na América do Norte seja a Nova Era.
  • · Em Portugal, um devoto católico pode escolher entre a penitência ou um despacho para purgar pecados e amansar demônios. Os padres também exercem com liberdade a função de bruxos.
  • Tudo isso nos faz ver que há um nível de Guerra Espiritual que está diretamente relacionado com as práticas do ocultismo.
  • Observe que podemos passar de um nível de guerra solo para um institucional dependendo da pessoa que estamos trabalhando, vamos observar na palavra:
(Atos 19:6) - E, impondo-lhes Paulo as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo; e falavam línguas, e profetizavam. 7 - E estes eram, ao todo, uns doze homens. 8 - E, entrando na sinagoga, falou ousadamente por espaço de três meses, disputando e persuadindo-os acerca do reino de Deus. 9 - Mas, como alguns deles se endurecessem e não obedecessem, falando mal do Caminho perante a multidão, retirou-se deles, e separou os discípulos, disputando todos os dias na escola de um certo Tirano. 10 - E durou isto por espaço de dois anos; de tal maneira que todos os que habitavam na Ásia ouviram a palavra do Senhor Jesus, assim judeus como gregos. (Batalha e nível solo)11 - E Deus pelas mãos de Paulo fazia maravilhas extraordinárias. 12 - De sorte que até os lenços e aventais se levavam do seu corpo aos enfermos, e as enfermidades fugiam deles, e os espíritos malignos saíam. (Batalha e nível solo e Institucional).

O segundo nível de batalha espiritual é o nível oculto. Isso significa tratar com os poderes das trevas que são mais coordenados e organizados que um ou outro demônio que esteja afligindo certa pessoa numa certa hora. Podemos pensar nisso como bruxaria ou satanismo, a adivinhação, xamanismo, Nova Era, Maçonaria, Budismo Tibetano, ou outras práticas de ocultismo.

Éfeso, nos dias de Paulo, era um centro de magia. Conforme esta informação tirada do excelente livro de Clinton Arnold: Éfeso pode ser considerado o centro da magia no Império Romano.

Teria atraído os mais famosos mágicos, bem como outros que queriam aprender deles. Paulo ministrava aos mágicos em Éfeso com resultados extraordinários. Para ganhar esses poderosos a Cristo, devia ter havido inúmeros encontros de poder demonstrando claramente que o poder de Deus era maior que qualquer poder sobrenatural das trevas que os mágicos possuíam.

Lemos também que: também muitos dos que haviam praticado artes mágicas, reunindo os seus livros, os queimaram diante de todos. Calculados os seus preços, achou-se que montavam a cinquenta mil denários. (At 19:19) Fazendo a pesquisa para meu comentário sobre Atos, Calcula-se a pilha de parafernália da magia queimada em cerca de quatro milhões de dólares.

Vamos observar melhor este capitulo de atos:

Atos 19:23 - E, naquele mesmo tempo, houve um não pequeno alvoroço acerca do Caminho.24 - Porque um certo ourives da prata, por nome Demétrio, que fazia de prata nichos de Diana, dava não pouco lucro aos artífices,25 - Aos quais, havendo-os ajuntado com os oficiais de obras semelhantes, disse: Senhores, vós bem sabeis que deste ofício temos a nossa prosperidade;26 - E bem vedes e ouvis que não só em Éfeso, mas até quase em toda a Ásia, este Paulo tem convencido e afastado uma grande multidão, dizendo que não são deuses os que se fazem com as mãos.27 - E não somente há o perigo de que a nossa profissão caia em descrédito, mas também de que o próprio templo da grande deusa Diana seja estimado em nada, vindo a ser destruída a majestade daquela que toda a Ásia e o mundo veneram.28 - E, ouvindo-o, encheram-se de ira, e clamaram, dizendo: Grande é a Diana dos efésios (Batalha a nível Institucional e estratégico). 29 - E encheu-se de confusão toda a cidade e, unânimes, correram ao teatro, arrebatando a Gaio e a Aristarco, macedônios, companheiros de Paulo na viagem.30 - E, querendo Paulo apresentar-se ao povo, não lho permitiram os discípulos.

Antes de Paulo chegar, Diana tinha o controle da região de Éfeso. Os demônios que estavam debaixo de sua autoridade foram expulsos com meros lenços molhados de suor. Que confusão! Os mágicos começaram a abandonar o ofício e entrando no Reino de Jesus. O exército de Diana entrou em caos e começou a perder a sua autoridade em Éfeso. O poder de Diana estava sendo neutralizado de tal maneira que as pessoas comuns começaram a notar. Pararam de adorá-la. Por quê? Pararam de sacrificar a ela e comprar suas imagens. Isto porque um só homem, por dois anos a confrontou. Os que começaram a ter prejuízos financeiros incentivaram uma rebelião, encheram o Templo de Diana e por duas horas gritaram – Grande é Diana dos Efésios! At 19.34.

Antes dos plantadores de igrejas chegarem, Paulo enfraqueceu Diana. Não a arrancou de cena totalmente. Não a confrontou e nem entrou no seu templo em guerra espiritual. Diana perdeu muito do seu poder por causa da batalha espiritual agressiva de Paulo a nível solo e a nível oculto. O império das trevas é interligado e o que acontece em qualquer um desses três níveis afeta os outros níveis e toda a estrutura de satanás.


PASSOS PARA A BATALHA

1- Amarrar o Valente. (Marcos 3:27) - Ninguém pode roubar os bens do valente, entrando-lhe em sua casa, se primeiro não maniatar o valente; e então roubará a sua casa.

2- Fazer declaração do poderio de Jesus aos poderes do mundo invisível. Declarar a sabedoria de Deus ao diabo e aos principados que estejam na vizinhança.

3- Profetizar que o deus deste século não irá cegar as mentes das pessoas.

4- Adoração, louvor, leitura da bíblia e brados de guerra devem sair noite após noite e coisas começarão a acontecer: Demônios serão expulsos, enfermos curados, e milhares de pessoas convertidas. Devemos revezar a direção de orações poderosas para exaltar ao Senhor e liberar a Sua bênção sobre os povos não alcançados no mundo.

5- A Igreja está passiva enquanto milhares morrem e vão para o inferno todos os dias.

6- Para fazer as coisas certas, nós precisamos do espírito de sabedoria e revelação.


ENTRANDO NA BATALHA (Diana A Rainha dos céus)

1- A Rainha dos céus é um espírito territorial. No Japão e na Turquia é conhecida com a deusa sol. No México como a Virgem de Guadalupe. No Nepal como Sagarmartha. Na cidade de Calcutá é conhecida como Cali, no Brasil Aparecida (Iemanjá)

2- Antes de fazermos batalha espiritual em qualquer nível, principalmente a nível estratégico, contra espíritos territoriais, é necessário REVELAÇÃO, SANTIFICAÇÃO, E HUMILHAÇÃO DIANTE DO SENHOR..

3- Jesus é superior a Diana, Iemanjá, Aparecida e a todos os espíritos territoriais, não importando o tempo de domínio deles sobre o território. Os exércitos de Deus, do mundo inteiro, estão sendo convocados a entrar nos mais altos níveis de guerra espiritual para instaurar o verdadeiro Governo que pertence ao Senhor de toda a Terra.



GUERRA ESPIRITUAL NÍVEL ESTRATÉGICO

Neste nível temos que contender com uma concentração ainda mais perigos de poder demoníaco: os espíritos territoriais (Efésios 612). Há uma forte probabilidade de Paulo estar se referindo a espíritos territoriais nesta passagem. Em Apocalipse 12 há uma clara exposição bíblica sobre guerra espiritual a nível estratégico. Neste nível vamos nos envolver com realidades muito diferentes das que nos relacionamo-nos outros níveis. Para uma visão mais abrangente da realidade da Batalha Espiritual a nível estratégico sugerimos a leitura dos livros de Frank Peretti “Este Mundo Tenebroso (vol. I e II).

1. A origem da batalha espiritual

Procurar saber a origem desta guerra cósmica leva-nos a indagar sobre a origem do mal. No entanto, não iremos nos deter neste assunto. Aqui, é necessário sabermos que existe uma origem para o mal e que esta, é identificada com o diabo.

De acordo com as Escrituras, o Diabo é o chefe da apostasia. Em Is 14:12, Satanás é identificado como sendo a Estrela da Manhã e Filho da Alva. Isso quer dizer que houve um tempo em que este ser angelical criado por Deus, rebelou-se contra o seu Criador (Ez 28:12-19), querendo ser igual a Ele e, consequentemente, foi expulso do céu juntamente com os seus seguidores (Mt 25:41; 12:24; Ef 2:2; Ap 12:7).

A administração e governo terrenos pertencem a Satanás. Isso deveu-se ao pecado de Adão. Ao primeiro homem foi dado administração e governo sobre a criação; no entanto, ele, quando pecou, entregou a autoridade ao diabo. Decorrente disto, o diabo tem controle sobre os governos, e Deus não interfere nisso, por questões éticas e legais. Satanás tem todo o direito legal de administrar o sistema terreno, através do homem. Deus romperia com a ética se interferisse nesse direito. Foi por isso que Jesus veio, para devolver o direito ao homem de governar. A partir de Jesus, portanto, temos a autoridade para governar.

O CORPO RECEBE ORDENS DA CABEÇA

Paulo lembra aos Efésios que Deus designou a Jesus como Cabeça de todas as coisas à igreja (Efésios 1:22-23).

Se crentes querem estar dentro da vontade de Deus em qualquer aspecto de suas vidas, eles têm que se submeter à Cabeça do corpo, Jesus Cristo. Isso aplica a indivíduos em particular, mas também a igreja em geral. Esse princípio se torna extremamente importante para batalha espiritual eficaz.

A analogia da cabeça e o do corpo é tão simples que me surpreende ao encontrar aqueles que não captam a ideia. Vamos fazer uma aplicação a partir do nosso corpo humano. Nós temos uma cabeça e nós temos corpo. A cabeça dirige o resto do corpo. O corpo faz a vontade da cabeça. Sem Jesus e impossível confrontar as trevas.

É importante ressaltar que a identificação dos principados e potestades de alta hierarquia espiritual, se dá pelo dom de discernimento de espíritos e por analisar as características da cidade, conhecendo a história da sua fundação, e o seu desenvolvimento.

FORMAÇÃO DO EXÉRCITO DE SATANÁS

A ordem hierárquica dos anjos caídos é:

1-Principados;
2-Potestades;
3-Dominadores;
4-Forças espirituais do mal.


1. PRINCIPADOS.

Estão em uma escala hierárquica superior, sujeitando as potestades, dominadores e as forças espirituais do mal ao seu comando. Principado é a tradução da palavra archon (singular de archas), e significa ‘aquele que foi instituído de autoridade’.

Um conceito que ajuda-nos a entender melhor sobre principado é dado por Linthicum: “Principado ou príncipe é a pessoa que, num momento específico, ocupa o trono. Pode ser prefeito de uma cidade, o presidente de um país, o diretor do conselho de uma instituição econômica. O ‘príncipe’, ou a autoridade de cada situação específica pode e irá mudar, mas o trono continuará pelo tempo que essa instituição permanecer” (Robert Linthicum em “Cidade de Deus, Cidade de Satanás”, Missão Editora, pp. 79).

Analisando o registro de Daniel 10, podemos perceber claramente a atuação deste grupo (principado). Vemos que Daniel permaneceu em oração durante vinte e um dias, até, então, receber a resposta de Deus. Esta demora ocorreu devido à interferência de um principado que rege a Pérsia; esse fato foi comunicado a Daniel por um anjo mensageiro do exército de Deus. “Mas o príncipe do reino da Pérsia me resistiu por vinte e um dias; porém Miguel, um dos primeiros príncipes, veio para ajudar-me, e eu obtive vitória sobre os reis da Pérsia” (Dn.10:13).

O príncipe do reino da Pérsia guerreou contra aquele anjo mensageiro, na intenção de interceptar a mensagem enviada. Este é um principado do exército de Satanás que é encarregado em manter o povo aprisionado no pecado e comanda os demais anjos caídos.


2) POTESTADES.

É a tradução da palavra exousias, referem-se aos cargos ou funções de autoridade, não aos titulares dos mesmos. Exousias, portanto, pode referir-se aos agrupamentos demoníacos que compõem esses cargos. Estão abaixo dos principados. As potestades atuam no primeiro céu, isto é, em nosso mundo físico e agem especificamente em pontos estratégicos, onde existem forças de liderança, grupos de influência, seja na política ou em qualquer outra instituição, inclusive na religiosa. O seu objetivo é influenciar esses grupos em suas decisões, fortalecendo o mal e enfraquecendo tudo o que for de bom.

Vamos nos concentrar mais na atuação das potestades nas instituições religiosas, basicamente nas igrejas. Satanás sabe o poder da Igreja de Cristo nesta terra, e sabe que a unidade é um dos pontos mais fortes da igreja. “Jesus, porém, conhecendo os seus pensamentos, disse-lhes: Todo reino dividido contra si mesmo é devastado; e toda cidade ou casa dividida contra si mesma não subsistirá” (Mt.12:25). Um dos objetivos da potestade é o de criar contendas, divisão, quebrando, assim, a força da unidade. Esse grupo do exército de Satanás está atento a cada detalhe, cada brecha humana para lançar a sua semente de discórdia. Sua atuação é sutil, começa com sentimentos carnais que vão florescendo e sendo alimentados diariamente, quando permitidos, e, no fim, dividem líderes, igrejas, reinos, nações. Poderíamos ficar horas falando sobre as diversas sementes de discórdia, como inveja, soberba, divergência, ódio, maldizer; todo fruto da carne.

“Porque a respeito de vós, irmãos meus, me foi comunicado pelos da família de Cloe que há contendas entre vós. Quero dizer com isso que cada um de vós diz: Eu sou de Paulo, e eu, de Apolo, e eu, de Cefas, e eu, de Cristo. Está Cristo dividido?...” (I Co.1:11-13).

Começaram a surgir na igreja, em Corinto, facções entre seus dirigentes. Alguns passaram a considerar mais os seus líderes do que o próprio Evangelho. Paulo condena esta atitude que em nada edifica, pelo contrário, apenas gera divisão na igreja de Cristo. “Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo. Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros. De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus. Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte e morte de cruz. Pelo que também Deus o exaltou...” (Fp.2:3-9). A palavra de Deus confirma que a origem do sentimento faccioso é demoníaca.

E temos isso evidenciado no livro de Tiago. “Mas, se tendes amarga inveja e sentimento faccioso em vosso coração, não vos glorieis, nem mintais contra a verdade. Essa não é a sabedoria que vem do alto, mas é terrena, animal e DIABÓLICA. ” (Tg.3:14,15)


3) DOMINADORES.

É a tradução da palavra grega kosmokratoras e significa “forças espirituais que se manifestam no mundo”, no reino espiritual das trevas, em oposição ao Reino da Luz. Kosmos significa mundo e krator poder, força, majestade. Entendemos que estes são os “senhores deste mundo”, ou seja, demônios chefes que atuam em localidades. Tomando-se como exemplo a cidade de Éfeso, o kosmokratoras local desta cidade é a Grande Diana de Éfeso. Diana, ou Ártemis, era suprema sobre a cidade de Éfeso. Ela era a salvadora, senhora, rainha do cosmos e deusa dos céus, para aqueles que a invocavam.

Os dominadores também têm como função a possessão corpórea das pessoas. As pessoas possuídas passam a agir por controle daquela entidade espiritual em todas as áreas da sua vida, gerando assim conseqüências não só para a própria pessoa, mas também para os que se relacionam com ela. Eles expressam, então, os seus desejos malignos através da pessoa e geram, inclusive, determinadas enfermidades.

Temos na Bíblia citações de pessoas que possuíam aparentes enfermidades, mas que as mesmas, na verdade, eram causadas por possessão demoníaca. “E eis que estava ali uma mulher que tinha um espírito de enfermidade havia já dezoito anos; e andava curvada e não podia de modo algum endireitar-se” (Lc.13:11). A Bíblia relata neste texto a história de uma mulher que estava enferma há dezoito anos, que já havia tentado de tudo, mas não ficava curada e Lucas, ao narrar o fato, diz que ela tinha um “espírito de enfermidade”. Mais adiante, o próprio Jesus dá a explicação daquela enfermidade e diz que era Satanás que estava gerando aquela enfermidade e a estava mantendo aprisionada. “E não convinha soltar desta prisão, no dia do sábado, esta filha de Abraão, a qual há dezoito anos SATANÁS MANTINHA PRESA? ” (Lc.13:16).

Para não fugirmos muito de nosso assunto, uma vez que nosso objetivo aqui não é tratarmos de batalha espiritual, mas sim de anjos, importa apenas voltar a frisar que os dominadores têm como função precípua a possessão de corpos para, através deles, expressarem suas características, promovendo o mal e a destruição das almas.


4) FORÇAS ESPIRITUAIS DO MAL.

Esse grupo de anjos decaídos atua em forma de INDUÇÃO. Agem causando desânimo, levando as pessoas a tomarem atitudes erradas, acusando e, principalmente, gerando brechas para que os dominadores possam, então, começar a atuar.

Os dominadores precisam ter autorização para que possam possuir e oprimir as pessoas. São as forças espirituais do mal que têm a incumbência de fazer com que as pessoas deem esta permissão, através de algum ato. São aquelas vozes que muitas vezes ouvimos no interior de nossa mente querendo nos levar a praticar o que é contrário à vontade de Deus.

ATUAÇÃO DOS ANJOS CAÍDOS

Os anjos caídos, como serviçais de Satanás, estão empenhados em pôr obstáculos no caminho do cristão e provocar danos à vida espiritual e ao bem-estar do povo de Deus. Eles são seres astutos que:

1. Opõem-se aos propósitos de Deus (Zc. 3:1);

2. Afligem os servos de Deus (II Co. 12:7);

3. Armam ciladas aos servos de Deus (Ef. 6:11, 12);

4. Opõem-se às orações dos santos (Dn. 10:13);

5. Procuram destruir a Igreja (Mt. 16:18);

6. Impedem as pessoas de aceitarem o Evangelho (Lc. 8:12);

7. Disseminam doutrinas errôneas (Mt. 13:25);

8. Incitam a perseguição ao reino de Deus (Ap. 12:7).


Estratégias usadas pelo Apostolo Paulo.

A batalha espiritual de Paulo foi como a guerra aérea da estratégia militar moderna. Nenhum comandante responsável iria mandar tropas no solo se, não ganhasse primeiro a guerra aérea. Seria suicídio. É por isso que Paulo assegurou que Diana tinha sido enfraquecida antes dele enviar os implantadores de igrejas pela cidade de Éfeso e a província da Ásia Menor.

Verdadeiramente, Paulo não implantou pessoalmente as igrejas da Ásia Menor (sete das quais são mencionadas em Apocalipse 2 e 3). Ele treinou implantadores de igrejas na "escola de Tirano", um prédio que ele alugou, e os enviou como tropas no solo (veja Atos 19:9-10).


A queda de Diana quando Paulo deixou Éfeso

Diana tinha sido enfraquecida e espancada severamente. Mas ela não foi tirada de cena totalmente. Paulo não tinha confrontado ela no "tête-à-tête" nem entrado no seu templo em guerra espiritual a nível estratégico.

Os artífices acusaram-no de ter feito isto, mas eles não podiam provar as acusações no tribunal. Diana tinha perdido muito do seu poder por causa da batalha espiritual agressiva de Paulo a nível solo e a nível oculto. O império das trevas é interligado e o que acontece em qualquer um desses três níveis afeta os outros níveis e toda a estrutura de Satanás.

Apostolo João confronta Diana em batalha a nível estratégico.

Deus escolheu o apóstolo João para executar o assalto frontal. A história subsequente, não o livro de Atos, nos conta que alguns anos depois que Paulo deixou Éfeso, João mudou para lá para terminar sua carreira. Ramsay MacMullen, um historiador bem conhecido e professor na universidade de Yale, nos contam do ministério de João em Éfeso com detalhes muito interessantes na área de batalha espiritual a nível estratégico.

MacMullen, um especialista na história do Império Romano, escreveu um tratado escolar chamado A Cristianização do Império Romano dos anos 100 à 400. Nesse tratado, ele argumenta que o fator principal para a conversão do Império Romano ao cristianismo foi a expulsão de demônios. Ele dá muitos exemplos de batalha espiritual em seu livro.

Um desses exemplos é a história do apóstolo João e o seu confronto tête-à-tête com a Diana de Éfeso. MacMullen, citando fontes históricas, diz que João, em contraste de Paulo, entrou no templo da Diana para fazer guerra espiritual. Ele diz, no próprio templo da Diana, João orou: "Oh! Deus... em cujo nome todo ídolo e todo demônio e todo poder imundo foge; que o demônio desse lugar desse templo fuja ao Seu Nome...". Enquanto João estava dizendo isto, de repente, o altar da Diana rachou em muitos pedaços e a metade do templo caiu (página 26 do seu livro).

MacMullen continua dizendo que esse encontro de poder trouxe multidões dos efésios à fé em Cristo. Então ele comenta, como um historiador profissional na razão pela qual ele crê que isso, junto com outras coisas semelhantes na evangelização do Império Romano, deve ser aceito como historicamente válido.

Dentro de 50 anos depois desse evento, praticamente ninguém do Império Romano cultuava a Diana. Seu culto foi reduzido a uma sombra do que era antes de Paulo e João irem a Éfeso. E a cidade de Éfeso se tornou o centro do cristianismo mundial para os próximos 200 anos.


Éfeso hoje (Turquia)

A maioria dos turcos são muçulmanos, e têm uma lealdade à sua fé que vem de berço. Mas, o governo turco é secular e resiste às tentativas dos fundamentalistas islâmicos para impor o tipo de sociedade fechada visto em outras nações do Oriente médio. Turcos não são árabes, e não querem ser. Eles querem fazer parte da união europeia. Igrejas cristãs, escolas bíblicas, livrarias evangélicas e romarias religiosas são permitidas. Todos são livres para se converterem ao cristianismo se assim desejarem. Há mais ou menos 500 crentes nascidos de novo na Turquia hoje. É verdade que existem algumas leis que restringem os meios de evangelismo e proíbem a distribuição pública de literatura, mas essas leis se aplicam aos cristãos e não cristãos.


Maria, a mãe de Jesus em Éfeso

Quando o apóstolo João foi a Éfeso, ele levou Maria, a mãe de Jesus. Olhando da cruz, Jesus disse a Maria: "Mulher, eis o seu filho!" E, aí ele disse a João: "Eis a sua mãe!" E daquela hora em diante, o discípulo João tomou-a para sua casa (João 19:25-27). E o último lugar aonde ela foi vista foi em Éfeso. Depois de Paulo e João ministrarem em Éfeso, o culto à Diana mergulhou de vez. Éfeso se tornou o centro mundial de cristianismo. Daí em diante, a Rainha dos céus não teria mais uso da máscara da Diana. Mas, a sua tarefa de Satanás permaneceu: a cegar as pessoas e mantê-las em trevas espirituais. Então será que a Rainha dos céus começou a se perguntar: sendo que ela não foi bem-sucedida em impedir cristianismo de fora, que talvez fosse meio de impedir pessoas de serem salvas do lado de dentro? Mas como? Nessas alturas, a verdadeira Maria não estava mais viva. Seria possível fabricar uma falsa Maria dentro do cristianismo que podia ser capacitada pela Rainha dos céus para fazer milagres, e aparecer, e então atrair adoração em igrejas cristãs que deveria ser dada somente a Jesus? Assim, haveria uma maneira de transferir o poder que recebia uma vez pela Diana, à falsa Maria, aí mesmo na cidade de Éfeso.

Se as pessoas não podem adorar a Diana, vamos ver se podem adorar a falsa Maria! Usamos o termo "falsa Maria" para distinguir entre a Maria verdadeira, a mãe de Jesus. A Maria verdadeira é abençoada entre as mulheres como o anjo Gabriel declarou (Lucas 1:28). Nunca foi, e, nunca terá outra mulher igual. Porque Deus assim agraciou, também precisamos honrar a ela, mas jamais adora - lá.

Maria Mãe de Deus.

À medida que desenrola a história, o centro do cristianismo, com o tempo, foi de Éfeso para Roma e Constantinopla. Quando isto aconteceu, e quando o Império Romano foi declarado cristão pelo Imperador Constantino, a falsa Maria começou a tomar cada vez mais um lugar no centro da liturgia cristã e adoração. Isto progrediu a tal ponto que a igreja em Roma decidiu declarar oficialmente que a Maria era a "mãe de Deus."

Como isso devia ser feito? Por que não voltar para Éfeso? Em 431 d.C, um "concilio ecumênico" foi convocado em Éfeso. O concilio de Éfeso declarou que a Maria era Theotokos, a mãe de Deus. O dogma permanece em todas as igrejas romanas até hoje.

Adoração a ídolos em Éfeso

Em Éfeso, um santuário foi construído para hospedar a imagem da falsa Maria. Agora, embora haja pouquíssima adoração aberta no altar da Diana dos efésios, a imagem da Maria é adorada 365 dias por ano com velas, oferendas de flores as outras coisas. Devotos prostram, a honram, e oram para ela como se ela fosse transmitir suas orações para Jesus. Poucos pensam que a Rainha dos céus podia estar fazendo um curto circuito com estas orações. Peter Wagner conta que quando fez um tour no Vaticano em Roma há alguns anos atrás, tive dificuldade em compreender por que uma estátua da Diana dos efésios estaria situada numa sala do Vaticano com outras estátuas dos santos cristãos.

A rainha dos céus

É interessante que muitos retratos da virgem Maria a tem em pé, numa lua crescente, ou com uma lua crescente perto da cabeça. Outros têm uma coroa em sua cabeça, e, um dos títulos oficiais é a "Rainha dos céus".

Por exemplo, poucas pessoas sabem que o nome espanhol original da cidade de Los Angeles é "a cidade da Nossa Senhora Rainha dos Anjos."Alguns se referem a Los Angeles como "cidade dos anjos". Seria mais correto reconhecer que é a cidade da Rainha dos anjos conhecida como Rainha dos céus.

A extensão da falsa Maria, em relação a sua exaltação capacitada pela Rainha dos céus, fica a critério de cada um. Muitos, ficaram chocados no dia 25 de agosto de 1997, quando a revista "Newsweek" reportou que nos últimos quatro anos, o papa tem recebido 4.340.429 pedidos encorajando a ele declarar oficialmente que a virgem Maria é "co-redentora com Cristo". Quando o papa visitou Cuba em 1998, ele coroou a imagem da Virgem de Merced, declarando ela a Rainha da Cuba. Acontece que o mesmo ídolo é adorado pelos devotos de satanismo cubano, conhecido como Santería.

Se O Cabeça Jesus, está dizendo para o corpo, a Igreja, para vencer (nikao) e confrontar os poderes das trevas em guerra espiritual a nível estratégico explícito, o que deveria ser feito em relação a situação que acabo de descrever?

(Jeremias 7:18) - Os filhos apanham a lenha, e os pais acendem o fogo, e as mulheres preparam a massa, para fazerem bolos à rainha dos céus, e oferecem libações a outros deuses, para me provocarem à ira.

1- A Rainha dos céus é um espírito territorial. No Japão e na Turquia é conhecida como a deusa sol. No México como a Virgem de Guadalupe. No Nepal como Sagarmartha. Na cidade de Calcutá é conhecida como Cali, no Brasil Aparecida (Iemanjá)

2- Antes de fazermos batalha espiritual em qualquer nível, principalmente a nível estratégico, contra espíritos territoriais, é necessário REVELAÇÃO.

3- Jesus é superior a Diana, Iemanjá, Aparecida e a todos os espíritos territoriais, não importando o tempo de domínio deles sobre o território. Os exércitos de Deus, do mundo inteiro, estão sendo convocados a entrar nos mais altos níveis de guerra espiritual para instaurar o verdadeiro Governo que pertence ao Senhor de toda a Terra.


PASSOS PARA A BATALHA
  • Deus e a fonte de todo poder, nada se compara com nosso Deus.
  • Temos que aceitar a Cristo e viver em santidade.
  • Em Cristo Jesus, somos justificados e recebemos autoridade contra toda força do mal.
  • Não devemos fazer apologia a satanás dando a ele mais poder do que tem, ele e um ser limitado.
  • Não devemos menosprezar a astúcia de nosso inimigo.
  • Vigiar e orar, fugindo da aparência do mal.
  • Somos o corpo de Cristo nesta Terra temos que agir conforme o comando da cabeça Jesus.


BIBLIOGRAFIA:


Artigos de net

Bíblia Sagrada.

Livro Confrontando A Rainha dos Céus - C. Peter Wagner.

Livro de Clinton Arnold .

Livro de MacMullen




Artigo transcrito de bibliografias citadas acima pelo Ap. João Campos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário